quarta-feira, 4 de maio de 2011

O amor é cego.



Ela tinha o tempo contado, não de vida, mas para ir embora. E como sempre estava ali, do lado dele, enquanto ele lhe disparava palavras que arrancavam o coração dela. Não eram direcionadas a ela, e sim aquela outra que quebrou o coração dele. Como o melhor amigo. E enquanto ela ouvia ele gaguejar pela dor na garganta ela queria chorar com ele.
É horrível ver alguém que você verdadeiramente ama chorar, mas é pior quando se sabe que pode concertar aquilo, mas não pode. O querer e não poder, coisa de criança estúpida que quer mais que a mão pode agarrar. É isso mesmo, ela queria ele. Demais para ela, perfeitamente imperfeito, feito com todos os defeitos e qualidades que o faziam extremamente especial.
E ela o esperou, ele se recompôs. Fez-se caras de felicidade e continuaram o caminho sem medo de que um dia fossem se separar. Ele se apaixonou de novo, e quebrou o coração da garota. "Estou apaixonado" ele dizia como nunca havia dito antes, e os olhos nas nuvens enquanto passeavam por ai para matar o tempo que sobra.
Uma esperança gritante era o que ela tinha no fundo do coração. 'Pode ser você!', ela dizia com a maior força que seu tamanho permitia. Mas a mente racional e pé no chão demais de Melissa esmagou-a com trilhões de memórias dentre os beijos e amores passados. O tempo que passou sozinha enquanto ele se divertia, e o que tinha que ouvir por ter ficado sozinha. Era a solidão e a importância tremenda que ela dava a Jack.
Ele compensava com tardes inesquecíveis, palavras sinceras e ombros amigos sem questionar o motivo do choro. Ele sabia mais do que ninguém que ela era quieta em seu canto e que nada nem ninguém manipularia ela para algo que não quisesse. Ele percebeu isso tarde demais. Esse era o medo de Jack que fosse tarde demais para se acostumar com os defeitos dela, que Melissa estivesse já enjoada dos seus e que ele a apreciasse sem um retorno.
Melissa olhava nos olhos de Jack meses depois do episódio em que ele havia terminado o último namoro e ele contava a ela como queria poder estar com ela o tempo todo. Porque tudo fica mais fácil, menos confuso e ela é linda. Um erro, uma palavra e um sorriso.
Na soma de tudo, um beijo. Que mudou o caminho que eles faziam para matar o tempo e as conversas e tardes. Mudou tudo, porque eles estavam apaixonados. Sempre estiveram, era só o medo de encarar.

Quando dizem que o amor é cego, não se deve levar só para o lado negativo. Se encherga os defeitos, e os aceita. Não se cega ao modo como as vezes acontecem erros, se perdoa. E tantas vezez há uma procura incessante lá fora pela pessoa certa, e se cega à quem já está dentro do seu coração.

4 comentários:

Simone Martins2 disse...

Amei seu texto, ja passei por isso, ouvir por horas o melhor amigo falando da outra, do amor dele e nada poder fazer...Um dia ate pensei em contar tudo o que eu sentia, mas eu o conhecia demais, e sabia que se fizesse isso, ele terminaria a nossa amizade e nunca mais eu o teria por perto, mas então foi melhor assim, pois eu cresci, conheci outros homens e hoje, mais madura, posso afirmar, que eu o amo e meu amigo...era e foi, simplesmente...um AMIGO! Bom dia e obrigada pelas lembranças...bjin

Emi disse...

O texto foi de uma sensibilidade formidável, e o pensamento que o fechou, uma ótima reflexão!
Adorei, flor!
Beijos!

Luara Q. disse...

Escreve muito bem!

bells disse...

Como sempre maravilhoso certo? Lindo minha gio gio, continuar sempre! xoxo.